Nascimento de Jesus Israel Silva

O Nascimento de Jesus Cristo Segundo Lucas | Estudo Bíblico

O Nascimento de Jesus Cristo Segundo Lucas | Estudo Bíblico

A história do nascimento de do Salvador está registrada nos Evangelhos de Lucas e Mateus. Essa passagem é narrada com muito mais detalhes por Lucas, enquanto que Mateus faz um resumo do nascimento de Jesus. A nossa proposta neste estudo Bíblico é fazer uma leitura comentada das partes principais dessa linda história de esperança e fé.

Sem dúvida o nascimento de Jesus foi um renovo que mudou o curso da humanidade. Essa passagem não se restringe ao nascimento de uma criança. Era a própria graça e a misericórdia, o amor de Deus em seu estado pleno que “nasceram” naquela noite feliz!

Vamos aos detalhes!

A anunciação

Após seis meses da concepção do precursor do Messias, João Batista, o Evangelho de Lucas nos informa que o anjo Gabriel foi enviado à cidade de Nazaré, para anunciar a Maria que ela seria a mãe do Salvador do mundo.

E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré,
Lucas 1:26

O texto nos diz que Maria não sabia como seria possível conceber um filho, pois ela, mesmo que estivesse desposada de José (ou seja, estava noiva), ainda era uma virgem (em Hebraico, betulah).

Nesse ponto há uma resposta do anjo Gabriel, que é muito conhecida:

E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.
Lucas 1:35

Esse verso de Lucas 1:35 tem uma linguagem, no original em Hebraico, que remete para a divina atuação do poder de Deus. É significativo que o anjo enviado à Maria se chame Gabriel.

Gabriel em Hebraico é o nome גַּבְרִיאֵל Gavriel, que corresponde a união de dois termos, a גְבוּרָה “guevuráh” – “poder”, e o termo אֵל “El””, que significa Deus.

Então o anjo Gabriel (“o poder de Deus”), explica a Maria que “a virtude do Altíssimo” a cobriria. As palavras “virtude do Altíssimo”, são no original, os termos גְבוּרַת עֶלְיוֹן “gevurat Elion”, “o poder do Altíssimo”.

E ele acrescenta o motivo pelo qual o fruto do ventre de Maria seria chamado de “filho de Deus”, ” por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus“.

Jesus é chamado por todo o Novo Testamento de “filho de Deus”, porque a Sua concepção não teve participação de um homem. José não teve relações com Maria, ela era virgem.

Vou voltar a esse tema mais adiante nesse estudo, pois muitos acham que Jesus é na Sua forma “Glorificada”, “o filho do Eterno”, como se existissem duas pessoas diferentes. Aqui nesse verso encontramos uma das maiores revelações, do motivo de Jesus ser chamado de “filho de Deus”.

Mais afrente continuaremos neste tema. Vamos ver os outros acontecimentos do nascimento de Jesus primeiro, para podermos entender melhor.

O decreto de César

E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse
Lucas 2:1

Lucas nos revela o motivo pelo qual o nascimento de Jesus ocorreu em Belém da Judeia. Os pais de Jesus, José e Maria, moravam em Nazaré, e foi lá na região da Galileia que houve a anunciação pelo anjo Gabriel.

Porém houve um decreto/ordem da parte do Imperador Romano Augusto César, para que houvesse uma recontagem de todo o povo Israelita. De fato, a Peshitta (o Novo Testamento em Hebraico), traz o verbo לְהִתְפַּקֵּד “lehitpaqed”, “ser contado“.

O historiador e político romano Tácito, na sua obra Anais 1:11, afirmou que essas contagens eram feitas para levantamento das possessões do império. Os dados da contagem/recadastramento ficavam registrados em um livro chamado Breviarium Imperii, “Estatísticas do Império“.

Os Romanos estavam medindo o tamanho do Império, para que pudessem cobrar os impostos “adequadamente” com os seus padrões.

E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade.
Lucas 2:3

Como não havia a tecnologia atual, os “registros” ficavam nas cidades em que cada pessoa havia nascido. Por esse motivo, cada um deveria ir ao seu local de nascimento para o recenseamento.

E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi),

A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
Lucas 2:4,5

A genealogia de Jesus

Os pais de Jesus sobem para Belém, a cidade do rei Davi, e Lucas nos explica que José era da descendência de Davi. Mateus nos mostra que a genealogia de Maria também vinha da linhagem de Davi.

E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o Cristo.
Mateus 1:16

Na listagem da genealogia, dada por Mateus para o nascimento de Jesus, vemos que o Evangelista escreve o seu relato em um tipo de código Judaico-numérico (guematria), muito usado pelos Judeus para proteger os textos de falsificação ou erro de cópia, e ao mesmo tempo auxiliar na interpretação.

É nisso que vemos Mateus dividir a contagem da descendência de Abraão até Jesus em três seções de catorze gerações. Mas repare bem (faça a contagem) que a última seção tem apenas 13 gerações. Está faltando uma delas.

Veja que o intento de Mateus funcionou, pois hoje sabemos que houve um erro na árvore genealógica de Jesus, na tradução ou na cópia do Evangelho de Mateus, pois há uma geração em falta.

Na tradução que temos na língua Portuguesa, lemos em Mateus 1:16 que “Jacó gerou a José, marido de Maria”, trazendo duas confusões ao relato do nascimento do Salvador:

  1. Há a supressão de uma geração, fazendo com que a contagem da genealogia de Jesus fique em desacordo com que o próprio Evangelho de Mateus descreve – a última seção genealógica fica com apenas 13 patriarcas, ao invés de 14;
  2. A descendência, para os Judeus daquela época, era passada pela mãe e não pelo pai. colocando José como pai de Jesus há ainda o problema de que o Mestre não foi gerado da semente de José, pois o nascimento de Jesus foi um evento milagroso, sem a participação de homem.

Essa codificação matemática de Mateus na genealogia de Jesus, simbolicamente mostra Jesus como filho de Davi, pois três seções de 14 gerações apontam para o nome do rei Davi.

No Hebraico, as letras também são algarismos, então cada letra possui um valor numérico. o nome Davi tem valor 14, concordando com as “14” gerações descritas em Mateus.

Mas e os problemas da terceira seção com apenas “13” gerações?

E a descendência sendo passada por José, que não era pai biológico de Jesus?

Ocorre que essas discrepâncias são totalmente resolvidas quando lemos o Evangelho de Mateus em Hebraico, no manuscrito de Shem Tov.

Em 2012, o Judeu Karaíta, pesquisador da Universidade de Jerusalém, Nehemia Gordon, descobriu dois dos mais antigos manuscritos do Evangelho de Mateus em Hebraico.

Eram cópias do manuscrito de Shem Tov Ibn Shaprut – Even Bochan (que teve notoriedade a partir da idade média), e em seus apêndices estava escrito, para Mateus 1:16, no lugar de “Jacó gerou a José, marido de Maria” -> “Jacó gerou a José, pai de Maria“.

Em Hebraico, as palavras são יוסף אבי מריםYossef avi Miriam“, “José pai de Maria“, conforme atesta a foto daquele manuscrito, publicada no livro The Chronological Gospels, de Michael Rood, que posto logo abaixo, e destaco as palavras com um círculo vermelho. Essa prova restaura a harmonia da narrativa sobre o nascimento de Jesus.

mateus 1:16 em hebraico, o nascimento de jesus

A genealogia de Jesus no manuscrito de Shem Tov, Mateus em Hebraico.

Assim, o José filho de Jacó em Mateus, é o pai de Maria, fazendo com que ela seja a única que passa a descendência a Jesus, vinda da linhagem de Davi. No Evangelho de Lucas 3:23 é que encontramos a genealogia de Jesus por meio de José filho de Heli.

Era comum que as pessoas tivessem o mesmo primeiro nome, como o é até hoje. Mas pelo sobrenome vemos que são pessoas totalmente diferentes.

Em Mateus nós lemos sobre José filho de Jacóque é o pai de Maria. Em Lucas nós temos José filho de Eli, que é o marido de Maria. Entendendo esses versos, a 14º geração de Mateus está completa. E como manda o Judaísmo, a descendência de Jesus é passada por meio de Sua mãe, que é uma das filhas (descendente) de Davi.

Portanto, Jesus é da linhagem de Davi, digno de ser chamado Filho de Davi, conforme Bartimeu, a mulher Cananeia e outros o chamaram. Mas o erro de cópia/tradução continua nas Bíblias em Português.

Filho de Deus?

Agora, veja que a genealogia de Jesus é narrada em Lucas no capítulo 3:23, mas somente depois que ocorreu o batismo de Jesus. E repare que no batismo do Mestre, é dito que uma voz vinda do céu foi ouvida, e dizia “tu és meu o filho amado”.

…sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu;

E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado
Lucas 3:21,22

Ocorre que quando José casou-se com Maria, ela já estava grávida. E a cidade onde moravam, Nazaré, era o que podemos atualmente classificar como uma vila. Não havia tantos habitantes como hoje.

Todos se conheciam. E o nascimento de Jesus deve ter sido algo que despertou muitos boatos, pois Ele nasceu com menos de nove meses de casamento. As más línguas acharam que a concepção do Mestre foi fruto de fornicação (relações antes do casamento).

Na Peshitta, encontramos para o verso de Lucas 2:5, “A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida”, a palavra usada em Hebraico, para “sua esposa“, é אֲרוּסָתוֹ “arusatô”, que significa “sua noiva“.

É óbvio que muitos não entenderam a concepção de Maria, nem mesmo o nascimento de Jesus, ocorrido enquanto seus pais ainda eram noivos. Mateus trata rapidamente desse tema no capítulo 1:18, quando diz que Maria estava desposada com José.

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.
Mateus 1:18

Porém no batismo de Jesus, uma manifestação de Deus, por meio de uma voz no céu, dava testemunho de que o que foi gerado no ventre de Maria não era fruto de nenhum homem. A concepção e a geração do corpo humano do Mestre foi algo milagroso.

Sem dúvida foi o maior milagre da história de toda a existência material, pois Deus renunciou a toda a Sua glória, e se tornou como um de nós, assumindo um corpo físico, para poder pagar o preço da salvação da humanidade.

As próprias histórias das matriarcas de Israel, foram alegorias que simbolizavam o nascimento de Jesus. Isaque e Jacó eram nesse sentido, também filhos de Deus, pois Sara era estéril e de idade muito avançada.

Mas por intervenção milagrosa do Eterno, ela concebeu na sua velhice e deu um filho a Abraão. Rebeca também era estéril, mas após a oração de Isaque, ela concebeu a Jacó e Esaú. Os patriarcas também eram filhos de Deus, gerados por meio da intervenção divina.

E Jesus “era” antes de haver mundo, pois segundo João, Ele mesmo criou o mundo:

Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
João 1:3

Porém, dada a Sua encarnação, apenas o Seu corpo humano foi gerado, sem a participação de homem, conforme a profecia de que a virgem conceberia, e o Seu nome seria Emanuel:

Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.
Isaías 7:14

O corpo de Jesus foi gerado (é importante compreender esse fato) a partir da intervenção divina, por isso Ele é chamado de filho de Deus, para contrastar com os seres humanos gerados de forma natural.

Porém o Espírito que habitava o corpo do Mestre é o Espírito do Eterno, conforme o próprio Jesus deu testemunho de si mesmo, na passagem em que diz “Eu sou o caminho a verdade e a vida“:

Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.

Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.

Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
João 14:7-9

O nascimento de Jesus

E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz.
Lucas 2:6

E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.
Lucas 2:7

Completou-se o tempo da gravidez de Maria, enquanto ela e José estavam em Belém. Não havendo lugar para que pudessem estar hospedados de forma adequada, Jesus nasceu e foi colocado em uma manjedoura.

Isso não significa que o Mestre tenha nascido em um estábulo, pois diferente da cultura ocidental, as casas Judaicas da época tinham geralmente dois compartimentos, um inferior e outro superior.

Na parte inferior, ou primeiro piso, ficavam os animais, e na parte superior, ou segundo piso, era destinado a habitação humana. Provavelmente, o segundo piso da casa estava lotado, então eles ocuparam a parte que era normalmente destinada aos animais, mas que deve ter sido esvaziada para que passassem a noite ali.

Os pastores no campo

Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho.

E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor.
Lucas 2:8,9

A parte que mais me chamou a atenção na aparição dos anjos aos pastores que estavam no campo, no momento do nascimento de Jesus, é em relação às palavras que foram registradas na Peshitta, em Aramaico.

Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
Lucas 2:11

Em Aramaico, a palavra “Senhor” de Lucas 2:11, é מָריָא “Maryá”, que em todo Antigo Testamento foi usada para se referir ao nome pessoal do Eterno. O nome מָריָא Maryá é o correspondente ao nome do Eterno em Hebraico יהוה YEHOVÁ – traduzido muitas vezes como Jeová.

Vou postar uma imagem abaixo, que é a reprodução de parte do livro do profeta Jeremias em Aramaico, publicado pelo Reverendo David Bauscher, e que mostra que o nome do Eterno, יהוה YEHOVÁ, era מָריָא Maryá, no Aramaico.

mariah, deus, em aramaico

Deus é Chamado de Mariáh, em Aramaico, no Livro do Profeta Jeremias. Destaque em Vermelho.

E esse é o mesmo nome pelo qual a Peshitta do Evangelho de Lucas chama Jesus em Aramaico, que Jesus, recém nascido, é Maryá, ou seja que Jesus é o Eterno!

E esse é o mistério, o milagre do nascimento de Jesus. Que o Eterno nos amou, e se fez como homem, nascendo de uma virgem, para levar sobre si o castigo que nos trouxe a esperança e a paz.

Sobre o autor | Website

Formado em Hebraico Bíblico, Geografia Bíblica, Novo Testamento, e Estudos do Apocalipse; é Especialista em Estudos da Bíblia, certificado pelo Institute of Biblical Studies da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Receba Estudos Bíblicos Diretamente no Seu Email! É Grátis!

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. ubiratan disse:

    Envia estudo sobre a igreja e templos diferenças que confundem muitas gente e do dizimo que ainda é um assunto polemico e sobre a ceia do senhor.