Jesus Era Judeu? A Circuncisão e a Apresentação no Templo

Jesus era Judeu? A resposta é sim! Ele era Judeu da Tribo de Judá. Jesus nasceu na região das montanhas de Judeia, na cidade de Belém que era vizinha à Jerusalém. E após o nascimento de Jesus, ele, bem como seus pais, teve que cumprir certos cerimoniais que a Lei de Deus previa para os Judeus.

Por ser Judeu, descendente genético de Abraão, Isaque e Jacó, Jesus precisou passar pela circuncisão ao oitavo dia de nascido.

Depois seus pais tiveram que oferecer uma oferta pelo resgate do primogênito, chamado de a Redenção do Primogênito, Pidyon Ha-Ben após 30 dias de nascido; e o Sacrifício após o nascimento, o Korban Ha-Yoledet após 40 dias.

Mas antes de prosseguir com este estudo bíblico sobre a apresentação de Jesus no Templo e a Sua circuncisão, para que não haja dúvida e confusão, gostaria de responder a seguinte pergunta abaixo:

Se Jesus Era Judeu, Nós Também Temos que Ser Judeus?

Absolutamente não! Deus primeiramente chamou aos Judeus para que estes fossem uma benção para as outras nações, mas dentro dos textos dados ao povo de Israel havia a previsão da continuação da existência dos estrangeiros.

Por exemplo, no livro de Números vemos que um estrangeiro poderia inclusive oferecer um sacrifício ao Senhor, sem precisar se tornar Judeu. E Deus recebia das mãos de um gentio a oferta:

Quando também peregrinar convosco algum estrangeiro, ou que estiver no meio de vós nas vossas gerações, e ele apresentar uma oferta queimada de cheiro suave ao Senhor, como vós fizerdes, assim fará ele.
Números 15:14

E este estrangeiro não precisava passar pela circuncisão para se aproximar do Eterno. O mesmo capítulo fala que Deus perdoaria os pecados do estrangeiro, mesmo que esse continuasse incircunciso:

Será, pois, perdoado a toda a congregação dos filhos de Israel, e mais ao estrangeiro que peregrina no meio deles,
Números 15:26

Estes textos acima mostram que tanto os Hebreus quanto os estrangeiros eram salvos pelo Eterno Deus. Ele recebia sacrifícios e ofertas de Israelitas circuncidados e de gentios não circuncidados, e perdoava os pecados de ambos, sem exigir que os estrangeiros se tornassem Judeus.

Sempre houve salvação para gentios incircuncisos, e o Eterno nunca os obrigou a passar pela circuncisão. Obrigar os gentios a se circuncidarem é ir contra a Lei de Deus, e como Jesus sempre cumpriu a Lei, Ele não ordenou a circuncisão das nações, mas apenas que passassem pelo batismo nas águas.

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
Mateus 28:19

Os Estrangeiros Terão um Nome Melhor do que os Israelitas

A mesma previsão está descrita no livro do Profeta Isaías:

E não fale o filho do estrangeiro, que se houver unido ao Senhor, dizendo: Certamente o Senhor me separará do seu povo…

Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.

E aos filhos dos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para o servirem, e para amarem o nome do Senhor, e para serem seus servos, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem a minha aliança,

Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.
Isaías 56:3-7

Veja que Isaías proclama que os gentios podem alcançar um status melhor do que os dos filhos de Israel, bastando apenas abraçar a Aliança do Eterno, sem precisar passar pela circuncisão. O Apóstolo João também falou sobre o status glorioso dos gentios que alcançam esta aliança por meio de Jesus Cristo:

E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;
E para o nosso Deus nos fizeste reis e sacerdotes; e reinaremos sobre a terra.
Apocalipse 5:9,10

Ou seja, nesta visão do livro do Apocalipse, João revela que gentios de todas as tribos, línguas e nações foram comprados pelo Sangue de Jesus, e não por meio da circuncisão. E o status deles, incircuncisos, é de Reis e Sacerdotes – que chamado glorioso!

A Circuncisão de Jesus

O ancião Simeão glorifica a Deus pela apresentação de Jesus no Templo.

E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.
Lucas 2:21

Este é outro fator que mostra que Jesus era Judeu. Na tradição Judaica o nome do filho era dado no momento da circuncisão, e Jesus recebeu o nome, que na Sua língua materna, o Hebraico, é Yeshua que significa Jeová é Salvação. Para maiores detalhes sobre o nome de Jesus em Hebraico leia este artigo intitulado “o que significa Yeshua?“.

Aqui Jesus, como homem perfeito, foi submetido à Lei de Deus, conforme o Eterno havia dito ao Patriarca Abraão para circuncidar todo aquele que fosse nascido na sua casa, ou seja, essa é uma marca peculiar para o povo Judeu, conforme já explicamos anteriormente.

A Apresentação de Jesus no Templo

E, cumprindo-se os dias da purificação dela, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor
Lucas 2:22

(Segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo o macho primogênito será consagrado ao Senhor);
Lucas 2:23

E para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: Um par de rolas ou dois pombinhos.
Lucas 2:24

Todo primogênito deveria ser redimido pelo valor de cinco Shekels, pois conforme aconteceu no Egito, o Eterno passou à meia-noite, e matou todos os primogênitos dos Egípcios, mas dos filhos de Israel que tiveram os umbrais das suas portas marcadas com o sangue do cordeiro, nada lhes aconteceu.

Por isso, para lembrar do grande livramento que o Senhor deu os Israelitas, libertando-os do Egito, todo primogênito deveria ser resgatado por aquele valor de cinco shekels (moeda usada em Israel naquele época). E Jesus cumpriu também este ritual, porque Jesus era Judeu, e Ele foi perfeito em todos os Seus caminhos.

Enquanto era apresentado no Templo de Jerusalém, Jesus recebeu o testemunho do ancião Simeão (provavelmente era um integrante do Sinédrio, a corte suprema de Israel na época) e da profetiza Ana, uma mulher santa e justa que servia a Deus no Templo, com orações e jejuns.

Jesus não ficou sem testemunhas, pois foi revelado a homens simples e também a homens importantes. De todas as camadas da sociedade Israelita, Deus escolheu os Seus servos para anunciar que o Messias Judeu havia nascido, para levar a Salvação não somente para os Judeus, mas para toda a humanidade.

Shalom a todos, até o próximo estudo Bíblico!

Bibliografia: Ben Derech, Tsadok – Judaísmo Nazareno 3ª Edição; Trimm James – Hebraic roots commentary Mattityahu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *