Herodes e Seus Filhos Arquelau, Antipas, Felipe e Agripa

Quando lemos o nome Herodes na Bíblia, frequentemente pensamos em coisas ruins como oportunismo, crueldade e tragédia. A história de Herodes está intimamente envolvida com os acontecimentos que cercam o nascimento de Jesus.

Mas ele é apenas um membro de uma família Iduméia (sem dúvida o mais poderoso e notável), cuja influência se estendeu desde o século I AC, até ao final do primeiro século DC, período de compreende as histórias do Novo Testamento.

Herodes deixou mega-construções em seu legado, pois ele foi quem expandiu o Segundo Templo dos Judeus no espaço de quarenta anos (também chamado de Templo de Herodes), construiu o Porto de Cesareia, o forte de Massada e a montanha-castelo chamada de Herodium.

Herodes no Novo Testamento

Herodes, descendente de Edom, de Esaú, nasceu no ano 73 AC, e foi o responsável pela matança dos meninos de Belém, o que ocasionou a fuga para o Egito por Jesus e Sua família, logo após a visita dos três reis magos. Ele morreu provavelmente no ano 4 DC. possibilitando que o Salvador voltasse para Israel, indo habitar em Nazaré.

Os descendentes de Herodes também seguiram o mesmo estilo cruel e criminoso de governar. Destaque para seus filhos Arquelau (Etnarca da Judeia), Felipe (Tetrarca dos territórios do norte e das terras à leste do Jordão), e Antipas (Tetrarca da Galileia e Pereia, bem conhecido pelo julgamento de Jesus, antes de Sua crucificação).

Os netos de Herodes também aparecem nas histórias do livro dos Atos dos Apóstolos, quando Herodes Agripa mandou matar a Tiago e prender o Apóstolo Pedro (ver Atos 12:1-3). Enfim, o nome Herodes (הוֹרְדוֹס Hordos em Hebraico) é uma espécie de Título, que vários personagens da mesma família utilizavam.

E estudar a história dessa família vai nos ajudar a compreender os fatores que envolveram o nascimento do Messias de Israel, bem como o desenrolar das demais histórias dos Evangelhos, até ao livro do Apocalipse. Vamos então iniciar o nosso estudo Bíblico com os fatos que levaram Herodes o Grande a se tornar o rei dos Judeus.

Jesus foi levado diante de Antipas antes da Crucificação.

A Revolta dos Macabeus

A família dos Macabeus, em 168 AC, seguiu com sucesso uma revolta armada contra o governo do Selêucida Antíoco Epifânio, que tentava Helenizar os Judeus.

A festa da Hanucá comemora a vitória dos Judeus nessa guerra contra os Gregos-Sírios, e o reacendimento das lâmpadas da Menorá, o Candelabro de sete braços usado no Templo em Jerusalém em 165 AC.

Depois disso, os Judeus viveram como uma nação independente por aproximadamente cem anos. E eram governados pela dinastia dos Asmoneus, que eram descendentes dos Macabeus. E a nação de Israel prosperou no início dessa época, com muita renovação espiritual.

Porém, mais tarde, internamente os Judeus estavam sucumbindo ao Helenismo que eles tinham lutado anteriormente com tanta coragem. Ao mesmo tempo no campo político, os líderes da nação não foram sagazes o suficiente e acabaram caindo nas mãos de oportunistas.

O Crescimento do Edomita Antípatro 

Durante os primeiros 25 anos do 1º séc. antes de Cristo, o líder Asmoneu Alexandre Janeu (que comandou a nação Israelita de 103 a 76 AC), escolheu Antípatro para governar a região da Idumeia, conforme relatou o historiador Flávio Josefo.

Antípatro foi sucedido por seu filho, que tinha o mesmo nome. Ele se tornou poderoso durante o governo de outro líder Asmoneu, que foi João Hircano II.

Antípatro II era muito astuto, e apoiou Pompeu durante a guerra ocorrida entre os Generais Romanos Pompeu e Júlio César. Após a morte de Pompeu ele passou a buscar o reconhecimento de César, e acabou recebendo o título de cidadania Romana extensivo à sua família.

Antípatro foi envenenado em 43 AC, mas a sua habilidade política preparou o caminho para que um dos seus filhos, Herodes, fosse nomeado rei dos Judeus pelo Imperador Romano Otaviano (o César Augusto do Novo Testamento).

O Surgimento de Herodes

Depois da morte de Alexandre Janeu em 76 AC, quem o sucedeu no comando da nação Israelita foi a sua esposa Alexandra Salomé. Ela governou Israel por aproximadamente uma década, de 76 a 67 Antes de Cristo (AC).

E já enquanto ela estava ocupando o Trono, desenvolveu-se uma grande rivalidade entre os seus dois filhos, que eram naturalmente candidatos à sucessão de Janeu, Hircano II e Aristóbulo II.

Antípatro II soube, com muita sagacidade, tirar proveito do conflito entre os dois irmãos. Depois da morte de Aristóbulo II em 63 AC, Antípatro conseguiu controlar a nação por meio da influência que exercia sobre Hircano II.

E o filho de Antípatro, Herodes, era tão ou mais politicamente articulado e oportunista de que seu pai. Ele substituiu Antípatro II no cargo de Conselheiro Chefe de João Hircano II.

Herodes não parou por aí. Ele conseguiu fazer parte da dinastia dos Asmoneus, casando-se com Mariane, neta de Aristóbulo II e de Hircano II, em 37 AC.

A Subida de Herodes ao Trono de Israel

Essa “guerra civil” entre os descendentes dos Macabeus, aconteceu dentro de um contexto de uma disputa muito maior que envolvia o domínio sobre o mundo conhecido daquela época. Havia duas principais forças mundiais, o Império Parta e o Império Romano que procuravam se expandir ao mesmo tempo.

Os Partas estavam mais ao Oriente e tentavam projetar seu poder sobre a região ocidental do Mediterrâneo. E Roma estava começando a impor o seu domínio sobre o Oriente Médio naquele momento.

Houve um fato que foi decisivo para a subida de Herodes ao Trono de Israel, mesmo não sendo Judeu étnico. No ano 40 Antes de Jesus, os Partas tomaram Jerusalém e fizeram João Hircano II de prisioneiro. Herodes, o Conselheiro Chefe, fugiu para a capital Romana ficando sobre a proteção de Marco Antônio (que comandava a guerra contra os Partos).

Flávio Josefo relatou que Marco Antônio pediu a Otaviano que estabelecesse Herodes como rei dos Judeus. E assim, um descendente de Esaú foi posto como rei em Israel no ano 40 Antes de Cristo.

Quando retornou para a Palestina, ele começou a conquistar as terras de sua Tetrarquia, Judeia, Galileia, Pereia e Idumeia, passando a controlar uma área que se aproximava dos reinos de Davi e Salomão, em extensão. Seu reino começou de fato em 37 AC, quando capturou Jerusalém.

Herodes se Sustenta no Poder

A trégua entre Otaviano e Marco Antônio (os dois disputavam o controle de Roma) não durou muito. E nessa rivalidade, Herodes inicialmente apoiou Marco Antônio (que anteriormente o havia indicado ao Trono).

Porém Marco Antônio foi derrotado, juntamente com Cleópatra do Egito, na batalha naval de Áccio em 31 AC. Surpreendentemente, Otaviano perdoa Herodes e o confirma como rei dos Judeus.

Alguns afirmam que a generosidade de Otávio foi devida à necessidade de ter um rei forte naquela região, para que ela servisse de área divisora, uma espécie de pára-choque entre Império Romano e o Império Parta.

O Reino de Herodes

Herodes se dedicou a assegurar que tinha o controle total sobre as suas terras, nos primeiros dez anos de seu reinado (37 a 27 AC). E para isso ele fez uso de sua aliança com Roma, com o objetivo de desenvolver uma maior importância política e comercial do seu reino.

Ele também se envolveu com um plano extensivo de construções para fortificar a nação Israelita, tanto na parte da defesa como na econômica.

Mas na última década do seu governo (13 a 4 AC), ele se envolveu em controvérsias, crimes e assassinatos contra seus filhos, chefes conselheiros e membros da família. A sua saúde também piorou muito e acabou desenvolvendo paranoia megalomaníaca.

As fontes históricas estão cheias de relatos em que Herodes manda matar seus próprios filhos, que ele pensava que queriam tomar o seu reinado de suas mãos. Até mesmo sua esposa favorita, Mariane (acusada de adultério), teve o mesmo destino.

Foi por causa dessas atrocidades que César Augusto, o primeiro Imperador Romano, frequentemente dizia:

“É mais seguro ser um dos porcos de Herodes, do que ser um de seus filhos.”

Na confusão de quem deveria ser o seu sucessor, fez com que ele mudasse de ideia por sete vezes, e ordenasse que seu filho Antípatro fosse executado a apenas cinco dias de sua própria morte.

Herodes também ordenou que vários líderes e funcionários públicos fossem executados depois de sua morte, para que houvesse luto na terra de Israel. Essa ordem não foi cumprida, mas mostra a loucura que o assolou nos seus últimos dias.

As Mega-Construções de Herodes

O Porto da Cidade de Cesareia Marítima.

Um dos maiores conquistas de Herodes foi o seu programa de mega-construções. Ele era um louco cruel, mas não se pode negar que foi um gênio da arquitetura.

Ele construiu as cidades de Cesareia Marítima e de Sebaste (em Samaria). Construiu também fortes, como a Fortaleza Antônia em Jerusalém, o forte de Massada, a prisão de Macaerus e o “palácio-túmulo-monte” Herodium.

E ainda estendeu a sua influência política por meio de construções de monumentos e prédios públicos na Fenícia (Líbano), na Síria, Ásia Menor e Grécia. Ele construiu anfiteatros, casas de banho, ginásios, hipódromos e templos pagãos.

O seu mais importante projeto foi a expansão do Templo em Jerusalém, que também ficou conhecido como Templo de Herodes.

O Forte de Massada no Deserto.

A Família de Herodes

Herodes teve cinco esposas, Doris, Mariane I, Mariane II, Maltace, e Cleópatra de Jerusalém, e também teve diversas concubinas. Desses casamentos surgiram muitos descendentes, com vários graus de parentesco, e que alguns deles aparecem nos textos do Novo Testamento.

E eles também vieram a ocupar o poder por meio de traições, intrigas e violência, como foi o caso de seu patriarca Herodes o Grande.

A área territorial que compunha o reino de Herodes foi dividida entre os filhos de Herodes o Grande após a sua morte:

  1. Arquelau ( 4 A.C.- 6 D.C.) como Etnarca da Judeia, Samaria e Idumeia;
  2. Herodes Antipas (4 a.C.- 39 d.C.) é nomeado Tetrarca, a Galileia e a Pereia; e
  3. Felipe (4 a.C.- 34 d.C.) herdou como Tetrarca, a Gaulanítide, Bataneia, Traconítide, Auranítide e Itureia.
Arquelau, Felipe e Antipas Herdaram as Terras de Seu Pai. Posteriormente, Agripa I recebeu as terras dos três irmãos.

Herodes Arquelau

Herodes Arquelau é primeiro citado no Evangelho de Mateus, quando Jesus e seus pais voltaram do Egito, porém temeram porque ele governava a província da Judeia. Este foi o fator decisivo que fez com que José escolhesse ir viver em Nazaré da Galileia.

E, ouvindo que Arquelau reinava na Judéia em lugar de Herodes, seu pai, receou ir para lá; mas avisado num sonho, por divina revelação, foi para as partes da Galiléia.
Mateus 2:22

Arquelau foi deposto e exilado no ano 6 DC, por causa de sua forma arbitrária de governar. A Judeia era a parte mais nobre do reino de Israel, e era lá na cidade de Jerusalém que ficava o Templo, o centro do culto para os Judeus e demais Israelitas.

Arquelau trocava o Sumo Sacerdote a seu bel prazer, e não respeitava ao mínimo a Lei dos Judeus. Isso levou com que uma comissão de Judeus ricos e influentes no Império Romano fossem até a capital do Império para fazer queixas graves contra os crimes que ele praticava.

Por isso, a Judeia, a Samaria e a Idumeia passaram a ser governadas diretamente por Roma, na figura de Procuradores, como foi o caso de Pôncio Pilatos.

Herodes Felipe

Felipe é um Tetrarca menos controvertido. Ele fez a sua capital na cidade de Betsaida, que ele chamou de Julias. Também edificou a Panias/Banias, em homenagem ao deus pagão pan, o deus das cavernas. Essa cidade também recebeu o nome de Cesareia de Felipe.

Foi em Banias que Jesus proferiu o discurso de que as portas do inferno não prevaleceriam contra a Sua Igreja, devido a dimensão pecaminosa sexual e idólatra que acontecia naquela cidade.

Felipe morreu sem herdeiros e a sua tetrarquia é anexada à província da Síria, que posteriormente foi dada a Herodes Agripa I pelos Romanos.

Herodes Antipas

Antipas mandou matar João Batista por causa de Herodias.

Antipas construiu a capital de sua Tetrarquia às margens do lago de Genesaré, também chamado de Mar da Galiléia, na cidade de Tiberíades, em homenagem a Tibério César.

Ele era casado com a filha de um rei Nabateu, mas ele a repudiou para se casar com a mulher de Felipe, seu irmão, o que foi denunciado por João Batista.

Antipas foi quem mandou capturar e levar João Batista para a prisão de Macaerus e depois o decapitou, por causa de Herodias, mulher de Felipe.

Com o a posterior notoriedade de Jesus, que realizava sinais e maravilhas, a Sua fama chegou até Antipas. Este ficou atormentado pensando que João Batista havia ressuscitado e que se vingaria dele. Esta má impressão só foi resolvida depois que Pôncio Pilatos mandou Jesus para que Antipas o julgasse.

Como Jesus não fez sinal algum e não demonstrou qualquer hostilidade contra Antipas, este mandou que retornasse a Pilatos. Ele entendeu que Pilatos sabia de seu temor e que ele tinha aproveitado a oportunidade de fazer com que Antipas visse que Jesus não era o João ressurreto.

Antipas se sentiu “agradecido”, e os dois voltaram a ser “amigos”.

E no mesmo dia, Pilatos e Herodes entre si se fizeram amigos; pois dantes andavam em inimizade um com o outro.
Lucas 23:12

Herodes Antipas deposto e banido para a Gália no ano 39 Depois de Cristo, e a sua Tetrarquia passa para Herodes Agripa I.

Herodes Agripa I

Foi filho de Aristóbulo. Aristóbulo era filho de Mariane, a esposa preferida e assassinada de Herodes o Grande. Aristóbulo foi também morto por seu pai, mas antes de morrer deixou um herdeiro, o Herodes Agripa I.

O Imperador Gaio Calígula deu os territórios a nordeste da Palestina a Herodes Agripa I e o fez rei sobre eles em 37 DC. Agripa I acusou Antipas de conspiração, e Calígula bane Antipas para a Gália em 39 DC.

Então, Agripa I herda as regiões da Galileia e da Pereia, em que Herodes Antipas governava anteriormente. Com suas novas terras, ainda mais depois que o próximo Imperador Romano, Cláudio, lhe acrescenta a Judeia e a Samaria, Agripa I passa a ter um domínio territorial semelhante ao do seu avô Herodes o Grande.

Agripa I, querendo agradar aos seus súditos Judeus (os que moravam na Judeia), que o viam como um descendente dos Asmoneus, da genealogia de sua avó Mariane, atacou a Igreja e os apóstolos (Atos 12:1-2). Ele mandou matar a Tiago e aprisionou o Apóstolo Pedro.

Mas ele recebeu a sua devida recompensa no ano 44 Depois de Cristo, quando morreu comido por bichos/vermes:

E num dia designado, vestindo Herodes as vestes reais, estava assentado no tribunal e lhes fez uma prática.
E o povo exclamava: Voz de Deus, e não de homem.
E no mesmo instante feriu-o o anjo do Senhor, porque não deu glória a Deus e, comido de bichos, expirou.
Atos 12:21-23

Herodes Agripa II e Berenice

Antes de morrer, Agripa I porém deixou um herdeiro, Agripa II, e filhas – Berenice e Drusila (esta última foi quem se tornou esposa do procurador Félix). Foi diante de Agripa II que o Apóstolo Paulo foi levado para fazer a sua defesa antes de ser enviado como prisioneiro para Roma.

Bibliografia:

Flavius Josephus, Antiquities,14:80–84. Peter Richardson, Herod: King of the Jews and Friend of the Romans (Columbia, S.C.: University of South Carolina Press,1996).

Flavius Josephus, Antiquities, 14.382; Wars, 1.282. Flavius Josephus, Antiquities, 17.168–323. Peter Richardson, 314. Larry Gregg the illustrated life of Jesus, Heschel H. Hobs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *